TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

quinta-feira, 6 de abril de 2017

NOTA OFICIAL DO SINPOL




A equivocada decisão que veda o direito à greve para trabalhadores policiais: STF incorpora agenda de retirada de direitos. Diante da avassaladora onda de retirada de direitos, o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE)  vem a público externar que avalia como equivocada a decisão do Supremo Tribunal Federal da última terça-feira, 5, quando por 7 votos a 3 decidiu pelo fim do direito à greve a todas as carreiras policiais.

Entendemos, e assim assegura a Constituição Cidadã, que todo servidor público civil tem o legítimo direito de lutar por condições mais dignas de trabalho e por uma justa remuneração. Sabemos e compreendemos a importância da nossa categoria para a manutenção da estabilidade e da segurança pública, e é justamente por isso que discordamos da decisão.

Consideramos contraditória a censura ao direito à greve dos policiais civis, porque uma vez que é assegurado o direito à sindicalização, tira da categoria a possibilidade de decidir com autonomia seus próprios passos e instrumentos de mobilização. A greve é o último recurso que os trabalhadores e trabalhadoras dispõem para se fazerem ouvir, ainda mais quando os próprios governos viram as costas para as reivindicações e demandas dos mais diversos setores e categorias.

Em Pernambuco, por exemplo, já convivemos com essa interpretação do TJ-PE, que além de considerar ilegais todas as nossas greves, no ano passado nos aplicou multas e bloqueios de bens por lutarmos pelos interesses dos policias civis. É de conhecimento de todos os baixos salários dos agentes de segurança pública no Estado e no país, assim como também é consenso que não há solução para a segurança pública que não passe pela valorização desses profissionais.

Portanto, o Sinpol-PE lamenta que o STF tenha ido além das suas atribuições constitucionalmente definidas, e tenha se arvorado a legislar para retirar mais esse direito da nossa categoria. Nesse momento, é importante que a sociedade entenda que não se trata apenas da retirada do direito à greve dos policiais, mas mais uma investida contra o conjunto das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros, que encontra respaldo nas propostas da Reforma da Previdência, na terceirização irrestrita, na reforma trabalhista e no congelamento dos investimentos públicos.


Por esse motivo, o Sinpol-PE convoca toda a categoria e reforça sua participação na GREVE GERAL que fará parar o Brasil no dia 28 de abril.  A luta continua.