TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

quarta-feira, 10 de maio de 2017

NOTA OFICIAL DO SINPOL:

Imagem relacionada

Fim da Frente Parlamentar da Segurança Pública revela um governo indiferente à criminalidade em Pernambuco

O Governo do Estado, demonstrando mais uma vez estar totalmente alheio às vozes das ruas e mais preocupado com sua imagem do que com a vida do povo pernambucano, articulou, nesta terça-feira (9), a descontinuidade da Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Pública. A decisão seguiu a orientação da liderança do seu governo na Assembléia Legislativa e foi chancelada por 23 votos contra e apenas 7 votos favoráveis a manutenção da Frente.

O fato evidencia uma grave inversão de valores entre aqueles que, em tese, deveriam representar o povo pernambucano. No momento em que todas as modalidades de crimes vêm disparando no estado, quando a sociedade tem clamado por mais segurança e tem se sentido abandonada, os interesses políticos e particulares de alguns pesaram mais. O dilatado placar foi sintomático: estamos entregues a um executivo autoritário e a um legislativo majoritariamente subserviente. Ambos com planos e interesses que não conseguem ir além da eleição que acontece em 2018 – obviamente ressaltando as raras exceções.


O SINPOL tem o dever de lutar por melhores condições de trabalho e a valorização do Policial Civil. Nesse sentido, pôde contar várias vezes com a atuação da Frente. Além disso, também assume a responsabilidade de contribuir com todo o povo pernambucano, apresentando gargalos e soluções para uma segurança pública mais eficiente. Nesse sentido, a Frente Parlamentar também teve um relevante papel. A conturbada conjuntura do nosso país, com tamanho descrédito dos políticos, nos apresenta a necessidade de uma reinvenção, com novas práticas institucionais e republicanas. Não mais se admite que questões meramente políticas se sobreponham a outras que são fundamentais. A segurança pública de um estado inteiro não pode ser usada como um “cavalo-de-batalha” sobre o tabuleiro de xadrez. O caso é literalmente uma questão de vida ou morte.