AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

quarta-feira, 7 de março de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA



FRÁGEIS NÃO, DE FORÇA E CORAGEM!

No próximo dia 8 de Março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Gostaríamos de em nossa coluna homenagear todas as nossas leitoras através de uma reflexão sobre a grande valia que temos para construção de nossa sociedade. A data comemorativa é um símbolo das conquistas efetivadas pelas mulheres no século XX. A ideia de criar o Dia Internacional da Mulher surgiu no final do século XIX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto de lutas femininas, por melhores condições de vida e trabalho, assim como o direito ao voto. Durante a II Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, em Copenhaga, em 1910, a líder socialista alemã, Clara Zetkin trouxe como proposta a criação de uma data para celebração anual das lutas pelos direitos das mulheres trabalhadoras.

Diferentes datas passaram a ser adotadas por diversos países para fazer menção dessas lutas. O movimento Internacional Socialista instituiu o dia 8 de Março como Dia Internacional da Mulher, sendo em seguida adotada também pela Organização das Nações Unidas – ONU. Um incêndio ocorrido na fábrica da Triangle Shirtwaist em Nova York, em 25 de Março de 1911, causou a morte de 123 mulheres e 23 homens, contribuindo posteriormente, para a especificação de critérios mais rigorosos sobre as condições de segurança no trabalho. Sendo também um mecanismo para referência das lutas trabalhistas das mulheres, já que na ocasião, a maioria dos óbitos foram de mulheres, reforçando as discussões da época.

A história da inserção das mulheres no contexto social é marcada por muitas batalhas e conquistas. Em diferentes civilizações, podem-se enxergar as resistências para garantia de seus direitos. Que possamos na atualidade, não limitar a figura feminina por um gênero estereotipado pelos padrões esperados. Que cada mulher consiga ocupar o espaço que a compete, sem discriminações. Quer seja em seus lares ou trabalhos, quer seja em qualquer instância da sociedade. Que a sua força não seja medida pelo preconceito. Afinal, somos aquelas que atuam desde a gerar uma vida dentro de si, até governar uma nação. Somos exatamente o que quisermos/propusermos ser. E nos perdoem os que nos julgam frágeis, mas somos mulheres de muita força e coragem.

Essa foi minha opinião de mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.