AUTO VIP

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

DRIVE TOUR BRASIL

DRIVE TOUR BRASIL

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUSA



AMBULÂNCIAS, UMA QUESTÃO DE EMERGÊNCIA EM CARUARU!

Um dos maiores desafios em uma gestão pública é conseguir oferecer uma assistência em saúde qualificada e que atenda as necessidades da população. Não é de hoje que inúmeras denúncias são realizadas por todo o país sobre as péssimas condições que os pacientes são submetidos. Problemas que variam desde a falta de insumos, até a humanização nas unidades prestadoras.

Em Caruaru, a escassez de ambulâncias tem dificultado o acesso dos pacientes e consequentemente, agravado quadros. Além de superlotar os serviços e tornar mais caótica a situação. De acordo com o Diretor Regional do Simepe, Dr. Paulo Maciel, Caruaru conta com seis ambulâncias Básicas e três UTI móveis, o que é insuficiente para atender a demanda local. Um dos problemas relatados é que as macas das ambulâncias na maioria dos casos ficam retidas nas unidades, o que paralisa a continuidade dos atendimentos extra-hospitalares. Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde afirmou que as equipes são orientadas a liberar as macas no menor tempo possível. Já a Secretaria Municipal de Saúde ressaltou que a Central de Transportes do município possui, hoje, cinco ambulâncias para a remoção dos pacientes das unidades de saúde municipal.

Porém, os profissionais de saúde, que estão todos os dias lidando com essa problemática diretamente, assim como os pacientes que precisam com urgência desse importante serviço, sabem que o quantitativo disponível de ambulâncias não é suficiente. A população sofre bastante aguardando por transferências. Muitas vezes o leito é disponibilizado para um serviço de alta complexidade, por exemplo, e o paciente aguarda até dias em uma Unidade de Pronto Atendimento por um transporte compatível com a sua necessidade.

Desejamos que o poder executivo se sensibilize com a causa pública e dentro do possível, resolva o problema. Problema esse que desencadeia muitos outros. Não adianta orientar a equipes quanto a demora na liberação de macas apenas, realmente é necessário mais investimentos significativos e aquisição de recursos com qualidade para fazer acontecer uma assistência digna, a qual as pessoas merecem e pagam seus impostos para tal. É inadmissível que uma cidade do porte de Caruaru, que atende pessoas de várias localidades, com um alto fluxo inclusive de atendimentos em emergência, conte com apenas esse quantitativo de ambulâncias.

Essa foi minha opinião de mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.