AUTO VIP

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

GBest SPORT

1ª VAQUEJADA PARQUE FERNANDO LUCENA

1ª VAQUEJADA PARQUE FERNANDO LUCENA

terça-feira, 3 de setembro de 2019

POLÍCIA FEDERAL REALIZA A PRISÃO EM FLAGRANTE DE AUXILIAR DE SERVIÇO GERAIS QUE ESTAVA FUMANDO NO BANHEIRO DA AERONAVE.




A Polícia Federal em Pernambuco, prendeu em flagrante no dia 1º/09/2019, por volta das 13h, no Aeroporto Internacional dos Guararapes/Gilberto Freyre RENATO ANDERSON GOMES DE ALEXANDRE, solteiro, 27 anos, auxiliar de serviços gerais, natural de Recife/PE e residente em Brasilândia-São Paulo/SP-(não possui antecedentes criminais).

A prisão aconteceu num voo da empresa Gol oriundo de Guarulhos/SP por volta das 13h, quando um passageiro perto do final do voo, teria ido fumar um cigarro dentro do banheiro da aeronave com a porta fechada,  fazendo o sensor de fumaça disparar o alarme da aeronave. A equipe de bordo ao constatar a irregularidade advertiu sobre a gravidade do fato ao passageiro, reteve parte do cigarro (bituca) que estava fumando e o comandante acionou à Polícia Federal que se dirigiu até o interior da aeronave, conduzindo-o até a Delegacia de Imigração para os procedimentos de rotina de lavratura de prisão em flagrante.

O suspeito admitiu que estava com muita vontade de fumar por isso se dirigiu ao banheiro e trancou a porta para acender um cigarro e que deu apenas dois tragos quando percebeu que o alarme sonoro da aeronave havia disparado. Por fim, alegou que não sabia que era proibido fumar dentro da aeronave e que estava profundamente arrependido pelo que ocorreu, pois nunca havia tido problemas com a justiça

O conduzido recebeu voz de prisão em flagrante foi informado dos seus direitos e garantias constitucionais e em seguida, conduzido para a Superintendência da Polícia Federal no Cais do Apolo, onde acabou sendo autuado pela prática do crime contido no artigo 261 do Código Penal (Expor a perigo aeronave ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação aérea) e caso seja condenada poderá pegar penas que variam de 2 a 5 anos de reclusão. Após a autuação, o preso realizou exame de corpo de delito no IML-Instituto de Medicina Legal e foi levado para a audiência de custódia onde foi posto em liberdade, ficando à disposição da Justiça Federal/PE.