PREFEITURA DE CARUARU

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

sábado, 1 de maio de 2021

COLUNA CLUBE DO FILME COM MARY QUEIROZ

 



MISSÃO: IMPOSSÍVEL-EFEITO FALLOUT

Sexto filme da franquia elevou o padrão de qualidade de seus anteriores.

 Em 1996 chegava aos cinemas Missão Impossível, filme baseado na série tv de mesmo nome dos anos 60. Com a direção de Brian De Palma, com Tom Cruise encabeçando o elenco estelar o filme consagrou-se como um sucesso no gênero espionagem-ação. De Palma dá ritmo na narrativa sabendo explorar bem os momentos de suspense e tensão ao revelar situações inesperadas na trama. Criou-se uma franquia de sucesso, arrecadando mais de U$ 450 milhões em todo o mundo, com um orçamento relativamente baixo para um filme desta proporção: U$ 80 milhões.

Cinco filmes depois e 22 anos após a produção  do primeiro, em 2018 fomos agraciados com a sexta parte desta franquia com Missão Impossível-Efeito Fallout. Nele, vemos que obrigado a unir forças com o agente especial da CIA August Walker (Henry Cavill) para mais uma missão impossível, Ethan Hunt (Tom Cruise) se vê novamente cara a cara com Solomon Lane (Sean Harris) e preso numa teia que envolve velhos conhecidos movidos por interesses misteriosos e contatos de moral duvidosa. Atormentado por decisões do passado que retorna para assombrá-lo, Hunt precisa se resolver com seus sentimentos e impedir que uma catastrófica explosão ocorra, na qual conta com a ajuda dos amigos de IMF.

Cinco diferentes diretores estiveram a frente desta franquia e cada um deu o melhor de si, até chegarmos ao resultado mais satisfatório de toda trajetória desses filmes. Não que os anteriores tivessem sido um fracasso, muito pelo contrário, até porque bilheteria e crítica receberam muito bem todos os outros. Cada produção tinha uma pegada diferenciada, sem perder o ritmo frenético e alucinante que filmes deste porte exigem, mas ainda não era suficiente e Tom Cruise sempre queria mais. Ele esteve envolvido em todas as produções, quer seja no roteiro, quer seja na Produção Executiva dando sua opinião, modificando cenas e acrescentando mais riscos para seu personagem.

Em 2015, Missão Impossível 5-Nação Secreta eleva a franquia ao seu ponto máximo em qualidade, enredo, produção, roteiro e locações externas, trazendo e mantendo todo o elenco central da trama bem equilibrados numa história de tirar o fôlego além de introduzir novos personagens numa mistura de muita ação, humor e cenas arriscadíssimas para o astro principal. Tudo isso se deu graças a mão certeira do Diretor Christopher McQuarrie que traz em seu currículo filmes como Os Suspeitos (1995 onde ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original e Melhor Ator Coadjuvante), Jack-O Caçador de Gigantes (2013) e Operação Valkíria (2008).  Vale lembrar que nestes filmes citados, ele atuou como roteirista, mas teve sua estreia como diretor no filme A Sangue Frio (2000). Diretor que já havia trabalhado com Tom Cruise em filmes como Jack Reacher (2012) e Missão Impossível: Nação Secreta (2015).

Agora, novamente no comando da direção de mais um filme da franquia (fato inédito na trajetória desta produção) Christopher McQuarrie tem a missão de provar que pode fazer mais e melhor. Nesta sexta parte, McQuarrie eleva ainda mais o nível do filme e quando a gente pensava ser impossível fazer algo novo, o diretor nos proporciona um deleite visual incrível com cenas fantásticas em um roteiro bem enxuto onde o principal objetivo é dar ao espectador um emaranhado de situações aparentemente soltas sem conexão, as quais vão se encaixando aos poucos, de maneira coerente com soluções plausíveis. Christopher McQuarrie fez um filme redondo muito bem dirigido onde ele soube aproveitar todos os atores em cena, dando-lhes o devido destaque necessário sem jamais aparentar algo forçado ou desnecessário.

O astro Tom Cruise novamente se arrisca nas cenas de perigo e isso teve uma consequência, pois ao saltar de um prédio para outro, sofre uma pancada que quebra seu tornozelo forçando-o suspender as gravações por 5 meses até se recuperar totalmente e dar continuidade a sequência da ação onde ele havia sofrido o acidente. O corte e a edição desta cena é tão bem feito que sequer vemos isso na edição. E mais uma vez, Tom Cruise não perde o fôlego, provando estar no auge de sua melhor forma no alto dos seus 50 e poucos anos de idade, tamanha velocidade que ele impõe ao personagem nas cenas de perseguição a pé. Muito louco e ousado, nos leva a loucura com sua performance.

Ao trazer outros personagens do filme anterior, o diretor faz a união direta com as ações ocorridas na trama passada resgatando o vilão de forma magistral e quando introduziu novos personagens, o faz de forma lógica e convincente, exibindo no roteiro que havia necessidades e motivos suficientes para o espectador entendesse o porque deles estarem presentes no filme. Embora suas participações não seja muito explorada, o tempo de tela deles foi bem aproveitado, mostrando que  McQuarrie sabe como ninguém, trabalhar em equipe e prova essa capacidade ao explorar todos os atores em seus momentos, seja individualmente ou em conjunto, manteve o equilíbrio das participações de todos em perfeita harmonia numa química pouco vista em filmes deste porte. Outra grande característica do diretor é como ele filma as cenas de ação. Suas tomadas são sempre limpas, abertas, com planos-sequências impressionantes nos levando a acompanhar todos os detalhes da ação em questão. O trabalho é tão bem feito que nos provoca a sensação que estamos sendo  transportados para dentro da ação. Que venha a Parte 7, pois enquanto tivermos Tom Cruise encabeçando esse elenco fantástico nós agradecemos por nos possibilitar toda essa adrenalina neste filme que mais vez nos traz espionagem, investigação, explosões gigantescas, trama fantástica, humor descontraído, acrobacias absurdas e  uma jornada com causas e consequências. Ousada em tudo, esta produção atinge as expectativas do público desde a mais simples perseguição até o ato final.

PROGRAMA CLUBE DO FILME

 


Agora o Clube do Filme pela Rádio Cultura do Nordeste 96,5 FM/1130 AM, apresentado por Edson Santos e Mary Queiroz, está com uma nova proposta, tocando “SUA TRILHA PREFERIDA”! Com o intuito de levar mais música e mais interatividade dos ouvintes e internautas, o programa oferece espaço para atender seu pedido musical do seu filme favorito. Para isto, basta ligar pelos números (81) 3722-1130/3723-1130, ou pelo Whatsapp da Emissora (81) 9.8109-1130.

Acompanhe pelo SITE:

www.radioculturadonordeste.com.br