PREFEITURA DE CARUARU

PREFEITURA DE CARUARU

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

sábado, 3 de julho de 2021

COLUNA CLUBE DO FILME COM MARY QUEIROZ

 


ROBIN HOOD - A ORIGEM



Robin Hood sem dúvida é uma das histórias mais contadas mundialmente, e por mais jovem que alguém seja, já deve ter ouvido falar do ladrão que roubava dos ricos para dar aos pobres. No cinema, já teve muitas adaptações que retratou seus feitos e sua coragem com bastante criatividade, e fazendo jus a importância deste herói, tivemos grandes atores  como Kevin Costner e Russell Crowe interpretando o personagem de Robin Hood, mas em 2018,  origem da famosa lenda tem a frente o diretor Otto Bathurst que tenta dar uma modernizada na obra para que Robin Hood (Taron Egerton) possa mais uma vez brilhar e encantar seus fãs.

No filme, Robin Hood vive tranquilamente com sua amada Marian (Eve Hewson) na sua mansão, depois é convocado para dar sua contribuição nas Cruzadas. L á enfrenta algumas situações que causam perdas e conflitos, fazendo com que ele retorne pra sua casa, mas ao chegar, surpreende-se ao encontrar a Floresta Sherwood infestada de criminosos. Incomodado com  a nova realidade, não deixará que as coisas permaneçam desse jeito e contará com a ajuda de John (Jamie Foxx)  para trazer justiça à cidade.

Escrito por Ben Chandler e David James Kelly , o roteiro reconta a origem de Robin Hood, desta vez de forma preguiçosa e  clichê, desenvolvida sem muita inspiração ao que parece,  devido a introdução de um triangulo amoroso totalmente descartável na trama. A justificativa para tal fato, é pior ainda, pois eles acharam que para dar um sentido mais dramático ao personagem de Robin Hood, ele precisava passar por isso. Certamente que aos olhos do espectador, ele não necessitava lutar pelo amor de Marian e se precisasse, isso não seria a principal motivação  para o transformar no Príncipe dos Ladrões, como o roteiro faz questão de mostrar, porém na falta de um contexto mais apropriado, vai este mesmo e é a partir daí que ele aceita o treinamento e ajuda de John (Jamie Foxx) para se tornar um exímio arqueiro e desenvolver todas as habilidades que um bom ladrão deve ter.

O filme tem algumas cenas interessantes, sobretudo nas dos roubos e luta contra o poder da riqueza e da religião. Nestes momentos, o ator Taron Egerton, faz com que seu personagem Robin Hood, ganhe uma personalidade bem definida, nos permitindo perceber que ele realmente se tornou alguém com objetivos maiores, entre eles, o de servir de inspiração para aquela gente encontrar forças e lutar por seus direitos e sua dignidade. Já a personagem da Marian  é pouco desenvolvida e suas qualidades não são exploradas a fundo. Talvez  mais aventuras e perigos entre ela e o Robin Hood, estivesse ajudado na sua desenvoltura. A atuação de Jamie Foxx, ficou bem forçada devido a grande utilização de frases de efeitos em seus diálogos, principalmente quando está atuando com Ben Mendelsohn, ator que interpretou o personagem do famoso xerife de Notlingham, vilão com um plano articulado e funcionando até então. Aqui Jamie Dornan interpreta o personagem do líder sindical e também interesse amoroso de Marian, mas também deixa a desejar, já que suas interações soam artificiais nos mais diversos momentos que aparece na tela.

Robin Hood – A  Origem tem seus problemas, alguns no figurino que não faz jus as vestes do século XII, e muitos nas sequências de ação, principalmente durante as lutas. Há momentos que eles abusam na velocidade, outros com câmera lenta e nos que seriam atrativos de ver, eles cortaram, tornando os confrontos confusos e desinteressantes. Outra coisa que incomoda são as piadas introduzidas, elas literalmente não funcionam, porque os diálogos não se sustentam nem mesmo com as tentativas de humor. A sensação que fica ao final,  é de insatisfação pois muito se falou deste filme, que viria com um estilo mais realista sobre a origem do herói e que nos traria uma jornada absolutamente interessante, porém somos jogados diante de uma trama completamente comum e sem muito a acrescentar, só mostrando da forma mais pobre possível a honra e o propósito do herói que é sempre fazer justiça.

PROGRAMA CLUBE DO FILME

 


Agora o Clube do Filme pela Rádio Cultura do Nordeste 96,5 FM/1130 AM, apresentado por Edson Santos e Mary Queiroz, está com uma nova proposta, tocando “SUA TRILHA PREFERIDA”! Com o intuito de levar mais música e mais interatividade dos ouvintes e internautas, o programa oferece espaço para atender seu pedido musical do seu filme favorito. Para isto, basta ligar pelos números (81) 3722-1130/3723-1130, ou pelo Whatsapp da Emissora (81) 9.8109-1130.

 

Acompanhe pelo SITE:

www.radioculturadonordeste.com.br