POUSADA DA PAIXÃO

POUSADA DA PAIXÃO

COMERCIAL JR

COMERCIAL JR

VIP

VIP

RC TECIDOS

RC TECIDOS

MANDACARU PERSONALIZAÇÃO

MANDACARU PERSONALIZAÇÃO

NORDESTE MOTOS

NORDESTE MOTOS

sexta-feira, 25 de março de 2016

“POLÍCIA FEDERAL/PE CONCLUI A 1ª OPERAÇÃO DE ERRADICAÇÃO DE MACONHA NO ANO DE 2016 DENOMINADA - OPERAÇÃO CÂNHAMO I - ERRADICANDO 170 MIL PÉS, EVITANDO ASSIM QUE 56 TONELADAS DA DROGA ABASTECESSEM O MERCADO CONSUMIDOR NO NORDESTE”.




 

A Polícia Federal em Pernambuco, deflagrou no dia 01.03.2016 e concluiu no dia 08.03.2016, a operação “CÂNHAMO I” que visa erradicar plantios de maconha no Sertão Pernambucano e que faz parte das medidas estratégicas adotadas pela Coordenação-Geral de Prevenção e Repressão a Entorpecentes-CGPRE, Órgão Central da Polícia Federal em Brasília/DF, com o objetivo de reduzir a produção e oferta de maconha no sertão do Estado de Pernambuco. A operação contou com um efetivo 40 policiais entre federais, civis do DENARC e militares do Corpo de Bombeiros. Os policias trabalharam com incursões terrestres, aéreas e fluviais contando com o apoio de 03 (três) aeronaves sendo duas da CAOP-Coordenação de Aviação Operacional da Polícia Federal/DF e outra do Grupamento Tático Aéreo da SDS-Secretaria de Defesa Social, além de 04 (quatro) botes infláveis do Corpo de Bombeiros. Nesta ação foram alcançados os municípios de Orocó/PE, Cabrobó/PE, Santa Maria da Bela Vista/PE, Belém do São Francisco/PE, Mirandiba/PE, Ibimirim/PE, Petrolândia/PE, Afrânio/PE, Dormentes/PE, Carnaubeira da Penha/PE, Floresta/PE, Betânia/PE, Manari/PE e Ilhas do São Francisco/PE (14 localidades ao todo).

Segundo análise feita por Peritos Criminais Federais três pés de maconha equivalem em tese a aproximadamente 1(um) quilo da droga, logo se dividirmos 170 mil pés por 3 (três) teremos a quantidade de 56t (toneladas) de maconha que deixou de ser produzida pelos traficantes.

O NÚMEROS DE PÉS E MACONHA ERRADICADOS DIMINUÍRAM DRASTICAMENTE PELA SEGUNDA VEZ CONSECUTIVA:

Desde a última operação denominado “Expurgo V” no ano passado a Polícia Federal vem percebendo a diminuição dos números de plantios dos pés maconha no sertão pernambucano. O número de roças encontrados foi pequeno, 31 pontos, com pouca maconha, e praticamente toda encoberta pela vegetação. O fato é que apesar do número relativamente alto de pés erradicados, perto de 170 mil, se não for levado em conta a roça de Branco de Aracuan (107 mil pés) o número de pés encontrados foi baixo (63 mil), tomando como referência as operações anteriores e o fato de que tinha chovido bastante na região, o que possivelmente elevaria tal quantitativo. Isso é um sinal de que a constância das operações de erradicação tem surtido efeito positivo e o número de plantios/plantadores de maconha diminuiu significativamente, bem como há de se nota que tais agricultores estão deixando a prática da plantação da droga e migrando para outras culturas tais como: cebola, feijão, batata. Durante o ano a Polícia Federal realiza entre 3 a 4 operações de erradicação de maconha, o que faz a oferta da droga diminuir significativamente na capital pernambucana bem como no agreste e sertão.

O ciclo produtivo da cannabis é acompanhado de perto por policiais federais e quando vai se aproximando o período da colheita novas ações são realizadas coibindo assim a secagem e a conseqüente introdução no mercado consumidor (pontos de vendas de drogas). As constantes operações policiais de erradicação de maconha havidas no sertão de Pernambuco, não tem dado tempo ao traficante daquela região em produzir a droga em seu pleno desenvolvimento, o que tem levado a importação da droga do Paraguai. Isto também está demonstrado pelo aumento das apreensões feitas pela Polícia Federal de maconha vinda daquele país vizinho. Assim com essas operações consecutivas a Polícia Federal contribui significativamente para o desabastecimento dos pontos de venda de droga em nosso estado como também em outros estados do nordeste evitando assim a escalada da violência tais como assaltos, furtos, homicídios, assassinatos, acertos de contas, corrupção policial, porque geralmente tais ocorrências giram em torno do tráfico de drogas. Cada ponto de venda de droga desabastecido, significa um foco a menos de violência para a população pernambucana.