AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

GIVALDO RECON PEÇAS

GIVALDO RECON PEÇAS

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA


A Culpa é de quem?

Em tempos de supervalorização da liberdade de expressão, temas voltados para assédio sexual e cultura do estupro ainda continuam trazendo bastante polêmica. Na semana passada, a discussão veio à tona, após a publicação de uma carta contendo 100 assinaturas de mulheres intelectuais e artistas francesas, onde se defende a “Liberdade de Importunar”. Fazendo objeção a massificação da ideia de que tudo na atualidade é assédio sexual, retirando o direito masculino de cortejar uma mulher e a mesma apreciar tal atitude ou não.

Recentemente, o Datafolha em uma pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública trouxe alguns dados importantes referentes ao estupro de mulheres no Brasil. Em nosso país, mais de um terço dos entrevistados acreditam que “mulheres que se dão o respeito não são estupradas”, 30% alegaram que “mulheres que usam roupas provocativas não devem reclamar se forem estupradas”.

No entanto, uma exposição realizada na Bélgica, em Bruxelas, trás como apreciação a mostra de vestimentas utilizadas por vítimas de estupro no momento do ato. A exposição recebeu o nome de: A Culpa é Minha? Interessante destacar que as peças são compostas por blusas discretas, calças, pijamas... O principal objetivo dos organizadores foi desmistificar a tese de que roupas provocativas são um dos motivos que levam a crimes de violência sexual.

No Brasil, estima-se que aconteça um estupro a cada 11 minutos, considerando a subnotificação dos casos que é grande, e certamente multiplicariam os dados estatísticos. O que podemos observar é que cada vez mais crescem os crimes dessa natureza e que a luta para diminuir as ocorrências começa em trazer o entendimento para a sociedade que a vítima não pode/deve ser penalizada. Sua vestimenta, localização ou comportamento não deveriam ser o ponto chave de discussões. Mas sim, a violação sofrida, violações físicas e emocionais. A vítima é vítima! Isso é indiscutível.


Essa é minha opinião de mulher! Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.