AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

GIVALDO RECON PEÇAS

GIVALDO RECON PEÇAS

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA


ASSUME OU NÃO ASSUME?

Na primeira semana do ano, foi anunciado o nome indicado para o cargo de Ministro do Trabalho. No caso, Ministra, a deputada Cristiane Brasil, do PTB, filha do ex-deputado federal Roberto Jefferson, cassado por sua participação no escândalo do Mensalão, do qual foi delator.

Após sua nomeação pelo presidente Michel Temer para a função, inúmeros manifestos em redes sociais começaram a circular, devido a Cristiane ter sido condenada por não assinar a carteira de trabalho, nem pagar horas extras a Fernando Fernandes, um motorista que trabalhava em média 15 horas por dia para ela e sua família. Além dessa condenação, consta na ficha da parlamentar outro processo de um motorista, em 2017, que foi encerrado com um acordo. Fazendo parte do histórico também, acusações de uma ex-auxiliar Aline Lucia de Pinho, que afirma ter sido demitida enquanto estava de licença por acidente de trabalho.

Com um passado um tanto quanto conturbado, no que diz respeito às causas trabalhistas, o juiz federal Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), suspendeu a nomeação de Brasil no Ministério. A posse estava prevista para a última terça (09), às 15h, no Palácio do Planalto, porém a mesma foi suspensa. Vale lembrarmos que a deputada teve seu nome citado em uma delação da Odebrecht, referente ao período em que era vereadora, sob a acusação de ter recebido 200 mil reais para a campanha de Pedro Paulo (PMDB-RJ) à prefeitura. Outro ponto a destacar é que, com a nomeação de Cristiane Brasil, seu suplente na Câmara é Nelson Nahim (PSD-RJ), irmão do ex-governador Anthony Garotinho que já cumpriu pena por exploração sexual de menores.

Podemos avaliar essa indicação como no mínimo, insolente! Das duas uma: Ou o presidente Michel Temer de fato não imaginou a repercussão que o nome da deputada traria, diante de tantos escândalos vivenciados nos últimos meses em nosso país, ou realmente não existe mais nenhum parâmetro para ética e julgamento de bom senso para com os sujeitos que compõe nossa sociedade.


Essa é minha opinião de mulher! Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.