AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

GIVALDO RECON PEÇAS

GIVALDO RECON PEÇAS

quarta-feira, 14 de março de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA



A DOR ALÉM DO PARTO

É comum o debate sobre violência contra o gênero feminino, porém existe um tipo de violência que acomete inúmeras mulheres, mais precisamente uma a cada quatro mulheres, segundo os últimos dados divulgados, que é a Violência Obstétrica. A falta de esclarecimentos sobre quais ações caracterizam esse tipo de violência, tem permitido que muitas mulheres a sofram sem a consciência que estão sendo lesadas em seus direitos.

O nascimento de um filho é um dos momentos mais esperados na vida de qualquer mulher. 

O parto em todo o seu processo complexo, é um evento que envolve muita ansiedade para a família que o vivencia. Porém, para muitas parturientes, esse momento é marcado por traumas e dores que ultrapassam as físicas. A violência obstétrica é aquela que acontece no momento da gestação, parto, nascimento e/ou pós-parto, inclusive no atendimento ao abortamento. Pode ser física, psicológica, verbal, simbólica e/ou sexual, além de negligência, discriminação e/ou condutas excessivas, desnecessárias ou desaconselhadas, muitas vezes prejudiciais e sem embasamento em evidências científicas.

Há uma subnotificação muito grande nesses casos, pois muitas mulheres não sabem o que é, de fato, uma violência obstétrica. Pode ocorrer desde o impedimento do parceiro de entrar na sala de parto, ou qualquer outro acompanhante, até uso de procedimentos de rotina desnecessários sem o consentimento da mulher. Ações como: amarrar as pernas da mulher, realização de episiotomia (corte lateral para alargamento do canal de parto) sem indicação e consentimento, manobra de kristeller (pressão sobre o útero), toque vaginal com frequência elevada, gritos e palavras pejorativas, caracterizam esse tipo de violência.

Caso a gestante/parturiente passe por violência obstétrica, a mesma poderá realizar um boletim de ocorrência, realizar uma denúncia junto à Secretaria Municipal de Saúde ou ligar para o 180. O projeto de Lei Federal que caracteriza o crime de violência obstétrica, encontra-se em tramitação. É necessário que debates sejam firmados junto à população, para que, a qualquer sinal de violência, a mesma compreenda e busque suporte. O nascimento deverá ser um dia inesquecível, não por práticas abusivas e traumáticas, mas pela vivência do milagre da vida. É inadmissível que a dor, seja além do parto.

Essa foi minha opinião de mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.