ANUNCIE SUA MARCA AQUI! ENTRE EM CONTATO!

ANUNCIE SUA MARCA AQUI! ENTRE EM CONTATO!

quarta-feira, 4 de outubro de 2023

FICCO/PE DESARTICULA ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS E CAPTURA LÍDER DE FACÇÃO EM PERNAMBUCO

Desde o mês passado, 48 prisões foram cumpridas.

Investigações focam em grupos envolvidos com homicídio, roubo e tráfico de drogas. Recife/PE. A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Pernambuco (FICCO/PE), encerrou nesta quarta (04/10) a primeira fase da “Operação Paz”, iniciativa do Ministério da Justiça e Segurança Pública para redução dos índices de violência urbana. À FICCO coube o cumprimento de mandados de prisão expedidos em razão de crimes de homicídio, tendo sido cumpridas, desde o início de setembro deste ano, 48 prisões, inclusive várias expedidas pela justiça de outros estados contra indivíduos que estavam escondidos em Pernambuco.

A investigações efetuadas pela FICCO/PE se dirigiram, principalmente, a organizações criminosas que cometeram crimes vinculados a tráfico de drogas e roubos. Dentre os presos, está um dos líderes de facção atuante nos bairros do Pina e Brasília Teimosa, contra quem havia dois mandados de prisão por homicídio, sendo ainda investigado em outros cinco inquéritos, como autor de mortes violentas de desafetos ou concorrentes. Outra prisão de destaque foi a de um dos membros de um grupo criminoso que age no litoral sul de Pernambuco e tem sido objeto de várias investidas policiais, devido aos métodos violentos de seus integrantes, acusados de terem promovido distúrbios nas praias do sul do Estado. Foi preso, ainda, um criminoso procurado pela atuação em roubos e clonagem de veículos fornecidos para utilização em diversos crimes, notadamente roubos e tráfico de drogas.

Dos 48 mandados cumpridos, 36 são de prisão preventiva, o que possibilita à justiça dar sequência aos processos que estavam parados em razão dos denunciados não serem encontrados para responderem por seus crimes. Há processos que estavam sem instrução por anos, gerando revolta da população e de familiares das vítimas pela falta de ação do Estado em punir os criminosos, que poderão agora responder pelos atos ilícitos.