TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 17 de abril de 2017

COLUNA A HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA

Resultado de imagem para erick lessa

VIOLÊNCIA E A AUSÊNCIA DO PODER PÚBLICO!


Na semana passada a folha de São Paulo veio a Pernambuco buscar informações para uma reportagem sobre a violência e buscar as causas junto à especialistas e profissionais de segurança pública e de jornalismo, que cobrem a área policial no nosso Estado.

Chamou atenção dos profissionais do renomado jornal a quantidade de homicídios registrados em Pernambuco nos dois primeiros meses do ano. Pernambuco, segundo dados oficiais da Secretaria de Defesa Social do estado registrou 977 homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, os chamados CVLIs (crimes violentos letais intencionais), representando um incremento de 47,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em uma das reportagens, a folha de São Paulo entrevistou José Luiz Ratton, que é professor de sociologia da UFPE, pesquisador da violência no estado e um dos responsáveis pela criação do Pacto Pela Vida, plano de segurança pública que foi criado no governo Eduardo Campos e tem como objetivo reduzir em 12% de homicídios anualmente, no comparativo com o ano anterior. Segundo Ratton, o perfil de quem morre e quem mata em Pernambuco é: “jovem, pobre, negro e morador da periferia”.

No nosso estado a maioria das pessoas que morre assassinada possui baixa escolaridade, além disso tais crimes ocorre em regiões pobres, e com pouca presença do poder público.
Nós da coluna Hora da Cidadania também acreditamos que a presença do poder público com seus serviços essenciais, que são obrigações dos entes federativos (União, Estados e Municípios) tem direta relação com os índices de violência que registramos.

Em Caruaru, quando verificamos estudos que mostram o IDH (índice de desenvolvimento humano), que levam em conta a média de renda, saneamento, longevidade (expectativa de vida), educação, serviços de saúde percebemos que estamos necessitando avançar e muito nesses serviços públicos, a fim de também reduzir índices de violência, já que os estudos mostram que tais fatores de evolução no desenvolvimento humano são preponderantes para a redução da violência.

Muito há que se fazer em termos de prestação de serviços públicos, na maioria das vezes relegada a segundo plano pelos governantes, gerando esse grave problema de segurança pública, que atravessamos atualmente. Resta claro, que segurança pública não é assunto apenas de polícia e dos demais órgãos do sistema de segurança e justiça criminal e o poder público precisa colocar tal questão (segurança) como prioridade.

Fica a reflexão. Fique atento à próxima edição da Hora da Cidadania, que é divulgada todas as segundas-feiras.

Visualizar