AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

CENTRAL DAS CAPAS

quarta-feira, 23 de maio de 2018

“AÇÃO CONJUNTA DO IBAMA E DA POLÍCIA FEDERAL APREENDE 22KG DE LAGOSTA QUE ESTAVAM SENDO COMERCIALIZAVA EM PERÍODO PROIBIDO E PRENDE UM SUSPEITO”





A Polícia Federal em ação conjunta com o IBAMA prendeu no último final de semana (20/05), um pintor industrial, de 30 anos, natural e residente em Sirinhaém/PE – (não possui antecedentes criminais)

A prisão aconteceu por volta das 11h dentro da “Operação Argos” deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com o IBAMA destinada a reprimir a pesca e comercialização de lagosta no período de defeso que neste ano começa no dia 1º março e vai até o dia 31 de maio. Após receber informações de comércio ilegal de crustáceos, as equipes descaracterizadas, dirigiram-se até o local denominado “Espaço Construção” que fica situado às margens da BR 232 no perímetro urbano da cidade de Gravatá/PE onde foi percebido intenso comércio de frutos do mar.

A ação teve seu desfecho final quando os federais perceberam a chegada de um vendedor que ofereceu aos policiais que estavam descaracterizados a venda de lagosta acondicionadas em um isopor onde foi detectado que os crustáceos estavam fora das especificações legais (peso, tamanho e em fase de reprodução) sendo o proprietário imediatamente detido e as lagostas apreendidas.

Terminado os trabalhos investigativos e tendo sido arrecadadas 27 (vinte e sete) lagostas que totalizou um peso bruto de 22Kg (vinte e dois quilos) o suspeito recebeu voz de prisão em flagrante foi informado dos seus direitos e garantias constitucionais e em seguida levado para a Sede da Polícia Federal no Cais do Apolo para as medidas cabíveis onde acabou sendo autuado pela prática contida no artigo 34, § único, inciso III da Lei 9.605/98 – (transportar e comercializar espécimes no período no qual a pesca seja proibida – pena: detenção de 1 a 3 anos, além de multa). O preso após fazer exame de corpo de delito no IML – Instituto de Medicina Legal e pagar fiança no valor de R$ 1.000 (mil reais) foi liberado e vai responder ao processo em liberdade. As lagostas foram doadas para uma instituição de caridade indicada pelo IBAMA-Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

Em seu interrogatório o suspeito informou que revende frutos do mar em feiras livres de Ipojuca, Escada e aos sábados em Gravatá/PE. Disse também que comprou as lagostas na tarde da última quinta-feira 17/05 no mercado de São José, porém não deu detalhes de quem foi a pessoa que o vendeu. Por fim relatou que só comprou o pescado porque foi informado de forma errada que 15 dias antes de acabar o período de defeso já poderia comercializar as lagostas!