AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

GIVALDO RECON PEÇAS

GIVALDO RECON PEÇAS

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

AGORA É OFICIAL: R$ 1.050,00 É O PISO DO SALÁRIO DO COMÉRCIO DE CARUARU




Após duas Rodadas de Negociações para definir os valores das cláusulas econômicas  da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINDECC e o SINDLOJA, o salário do comerciário de Caruaru para 2018 foi acordado na noite de ontem (20/02), no Ministério do Trabalho. Com retroativo à 01 de janeiro de 2018, data base do comércio de Caruaru, o piso salarial será de R$ 1.050,00 (Um Mil e Cinquenta Reais). Para os que recebem acima do piso o reajuste foi de 2,1%. E para a ajuda de custo dos domingos e feriados trabalhados, o valor será de R$ 45,00 (Quarenta e cinco reais).
O fato desta Convenção Coletiva de Trabalho ter sido fechada em apenas duas reuniões não significa que o processo foi fácil. As negociações sempre são baseadas no índice inflacionário acumulado ao ano, e esse índice foi de 1.81%, valor usado para o reajuste do salário mínimo para 2018, como também, valor pleiteado pelos patrões. O SINDECC não aceitou tal proposta e conseguiu manter um ganho real no reajuste de 0,73%. Sabemos que esses números não refletem a economia da cidade de Caruaru pois as vendas do final de ano de 2017 e do início de 2018 superaram o mesmo período do ano anterior. 
Sabemos que os ataques a nós trabalhadores continuarão, como é o caso da tentativa de pôr fim no imposto sindical e com isso acabar com os sindicatos. Hoje o sindicato está sobrevivendo apenas com as contribuições de associados, mas, a Convenção Coletiva de Trabalho beneficia a toda a categoria e se o trabalhador não se conscientizar para contribuir com o sindicato, perderemos todos os nossos direitos e ficaremos a mercê dos patrões. 
O trabalhador tem que está ciente de que lado ele deve estar! Não existe conciliação com o patrão, o que deve existir é uma força junto ao seu sindicato, pois é nas horas mais difíceis que estamos lá, defendendo cada trabalhador e trabalhadora deste comércio.