AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

GIVALDO RECON PEÇAS

GIVALDO RECON PEÇAS

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA



SER CIENTISTA NO BRASIL: O PREÇO QUE QUASE NINGUÉM VÊ!

No último dia 18, o jornal Diário de Pernambuco trouxe para discussão a difícil e pouco conhecida realidade na formação de mestres e doutores no Brasil. Prazos curtos, pressão por resultados, humilhações, entre outros aspectos, fazem parte do contexto de uma parcela significativa de acadêmicos integrados à programas de pós graduação (via concurso) das Universidades Federais do nosso país.

Em agosto de 2017, o suicídio de um doutorando nos laboratórios da Universidade de São Paulo (USP), descortinou um tema a qual, há muito tempo tem sido tratado a “panos quentes” dentro das academias. Quase que um círculo vicioso, passado de orientador para orientando, práticas abusivas continuam contribuindo para o desenvolvimento de depressão, síndrome de pânico e suicídio entre acadêmicos.

O Brasil possui altos índices de depressão e suicídio, depressão essa que é tributada muitas vezes como o “mal do século”. O que observamos dentro do contexto de formação de pesquisadores, é que o sistema extremamente burocrático em sua constituição, assim como a alta competitividade diante de poucas oportunidades de ingresso, tem contribuído para o agravamento do problema.

Situações como tempo curto exigido para qualificação e defesa, pressão extrema para publicação em revistas com Qualis elevado, dificuldades de relacionamento com orientadores, discriminação e assédio... compõe um quadro real no dia a dia dos alunos nessa modalidade. O processo de construção do conhecimento não necessitaria ser tão duro, ao ponto de relatos de discentes sofrerem surtos psicóticos, isolamento, síndromes, e até o referido suicídio. O enfado aceitável deveria ser o da rotina de pesquisas e do aprimoramento nessa busca em especializar-se.

O gênero feminino é o mais penalizado nessa conjuntura. Se a pesquisadora for mãe, a discriminação tende a acontecer desde o processo seletivo, onde em alguns casos, a mesma é desestimulada a não seguir. E quando consegue ingressar, sofre diversas pressões psicológicas ao rotineiramente ser cobrada a elencar prioridades, sem ter o mínimo apoio/suporte que a auxilie a desenvolver e concluir sua formação.

Essa foi minha opinião de mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.