TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

CASO MARIO CELSO: JULGAMENTO DE MARIA PAULA SERÁ NESSA QUINTA-FEIRA (03/11)

Resultado de imagem para julgamento tribunal

Após 17 anos do crime que tirou a vida do empresário caruaruense Mário Celso, o julgamento da defensora pública Maria Paula Cavalcante, ocorre nessa quinta-feira (03/11) em Caruaru. Ela é suspeita de ser mandante do assassinato marido, que também era advogado. Por várias vezes o julgamento foi adiado, sendo a última vez em 2013, quando o advogado da acusada conseguiu uma medida cautelar para adiar o julgamento.
O CRIME – o crime aconteceu no dia 20 de setembro de 1999. De acordo com as investigações da Polícia Civil, Maria Paula e o pistoleiro José Aelson foram indiciados junto com o taxista Luiz Vieira, a mãe de santo, Maria Aparecida de Menezes e Ednaldo Cavalcante da Silva, amigo de Luiz. Ao ser preso, José Aelson confirmou a participação no crime e apontou a mãe de santo, Maria Aparecida, o taxista e a defensora pública. Os acusados receberiam aproximadamente R$ 5 mil pelo homicídio.
A polícia descobriu o esquema após rastrear com autorização judicial as ligações telefônicas de Maria Paula. Ficou constatado que a maioria das chamadas partiu do celular da mãe de santo, um total de 157 telefonemas de Maria Paula para Maria Aparecida e vice-versa, todos no período de três semanas após o assassinato.
O crime teve bastante repercussão em Caruaru na época, uma vez que o casal era muito conhecido. O advogado e empresário do setor imobiliário Mário Celso de Oliveira, tinha 50 anos a época e foi secretário de Transportes durante a 1ª gestão De José Queiroz, como prefeito de Caruaru. Maria Paula era defensora pública do juizado de pequenas causas da cidade.
MOTIVAÇÃO – O crime aconteceu por volta das 18h em frente à residência do casal, no bairro Maurício de Nassau. Mário Celso foi surpreendido quando retornava do trabalho com a mulher e o filho mais velho, que na época, tinha apenas 12 anos. Ao estacionar o carro na garagem, ele foi atingido por três tiros e morreu na hora. Enquanto isso, Maria Paula já havia descido do carro e deixado o filho dentro de casa. Familiares de Mário Celso afirmam que a defensora pública planejou o crime para herdar os bens do advogado. Na época, a família de Mário Celso possuía uma empresa imobiliária na cidade e estaria herdando um terreno de 30 hectares no Distrito Industrial, em Caruaru.

CONDENAÇÕES – A mãe de santo, Maria Aparecida de Menezes, que esteve envolvida no homicídio, foi condenada a 24 anos e seis meses de prisão. Além de Maria Paula, outros três acusados pela polícia de envolvimento no crime, seguem respondendo pelo processo em liberdade. O autor dos disparos que vitimou Mário Celso, José Aelson dos Santos, foi julgado e condenado. No entanto, após cumprir um terço da pena, recebeu a liberdade condicional e foi assassinado. O crime aconteceu no dia 15 de setembro de 1999.


Fonte: Blog do Mário Flávio.