AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

COLUNA HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA


FALTA DE INVESTIMENTOS/HOMICÍDIOS PELO BRASIL.

Foram divulgados os dados referentes ao número de homicídios ocorridos no Brasil, no ano de 2016. O total de crimes dessa natureza chegou a impressionante marca de 61.619 pessoas assassinadas, registros que ultrapassa históricos de guerras como do Vietnã, ou até equivalente ao número de pessoas dizimadas no ataque da bomba nuclear de Nagasaky – Japão, em meio à Segunda Guerra Mundial.

Esse número representa um aumento na ordem de 3,8% em comparação com os homicídios anotados no ano de 2015, além de equivaler a sete pessoas mortas por hora, no ano passado.

Os três estados que lideram esses números são todos do nordeste: Sergipe, com 64 registros, por grupo de 100 mil habitantes, seguido do Rio Grande do Norte, com 56,9 e de Alagoas, com 55,9.

Impressionam bastante esses números, mas outro dado que chama atenção é exatamente o investimento dos municípios, estados e do governo federal em políticas de segurança pública. O investimento diminuiu, segundo o estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública na ordem de 3,8%, em média, sendo que a União reduziu seus investimentos em segurança em pouco mais de 10%.

Fica claro que o governo federal, que inclusive recentemente alterou o nome de um de seus Ministérios de Justiça para Justiça e Segurança Pública não conta com uma política estruturada de segurança pública, muito menos repassa aos estados e municípios recursos suficientes para que esses possam investir mais efetivamente, no combate à criminalidade.

Não é uma matemática simples e fácil a redução da criminalidade, em qualquer lugar do mundo, mas com investimentos caindo, com a inequívoca falta de prioridade por parte, principalmente dos governos municipais e federal, na questão da segurança pública, os custos ficam muito severos nas costas dos estados, além da falta de uma política transversal (entre os entes federativos – União, estados e municípios) e multidisciplinar (envolvendo outras secretarias e ministérios, como educação, serviço social, políticas para mulheres, defesa, planejamento, fazenda etc), os cidadãos tendem a sofrer cada vez mais, com essa falta de priorização e de investimentos.


Fica a reflexão. Esteja atento à próxima edição da coluna Hora da Cidadania, que é divulgada todas as segundas-feiras. Você pode dar sugestão de temas, fazer críticas e elogios através do e-mail: ericklessa04@gmail.com.
MASCARENHAS PNEUS