TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

DONA MACAXEIRA

DONA MACAXEIRA

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

COLUNA HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA


FALTA DE INVESTIMENTOS/HOMICÍDIOS PELO BRASIL.

Foram divulgados os dados referentes ao número de homicídios ocorridos no Brasil, no ano de 2016. O total de crimes dessa natureza chegou a impressionante marca de 61.619 pessoas assassinadas, registros que ultrapassa históricos de guerras como do Vietnã, ou até equivalente ao número de pessoas dizimadas no ataque da bomba nuclear de Nagasaky – Japão, em meio à Segunda Guerra Mundial.

Esse número representa um aumento na ordem de 3,8% em comparação com os homicídios anotados no ano de 2015, além de equivaler a sete pessoas mortas por hora, no ano passado.

Os três estados que lideram esses números são todos do nordeste: Sergipe, com 64 registros, por grupo de 100 mil habitantes, seguido do Rio Grande do Norte, com 56,9 e de Alagoas, com 55,9.

Impressionam bastante esses números, mas outro dado que chama atenção é exatamente o investimento dos municípios, estados e do governo federal em políticas de segurança pública. O investimento diminuiu, segundo o estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública na ordem de 3,8%, em média, sendo que a União reduziu seus investimentos em segurança em pouco mais de 10%.

Fica claro que o governo federal, que inclusive recentemente alterou o nome de um de seus Ministérios de Justiça para Justiça e Segurança Pública não conta com uma política estruturada de segurança pública, muito menos repassa aos estados e municípios recursos suficientes para que esses possam investir mais efetivamente, no combate à criminalidade.

Não é uma matemática simples e fácil a redução da criminalidade, em qualquer lugar do mundo, mas com investimentos caindo, com a inequívoca falta de prioridade por parte, principalmente dos governos municipais e federal, na questão da segurança pública, os custos ficam muito severos nas costas dos estados, além da falta de uma política transversal (entre os entes federativos – União, estados e municípios) e multidisciplinar (envolvendo outras secretarias e ministérios, como educação, serviço social, políticas para mulheres, defesa, planejamento, fazenda etc), os cidadãos tendem a sofrer cada vez mais, com essa falta de priorização e de investimentos.


Fica a reflexão. Esteja atento à próxima edição da coluna Hora da Cidadania, que é divulgada todas as segundas-feiras. Você pode dar sugestão de temas, fazer críticas e elogios através do e-mail: ericklessa04@gmail.com.
MASCARENHAS PNEUS