POUSADA DA PAIXÃO

POUSADA DA PAIXÃO

COMERCIAL JR

COMERCIAL JR

VIP

VIP

RC TECIDOS

RC TECIDOS

MANDACARU PERSONALIZAÇÃO

MANDACARU PERSONALIZAÇÃO

NORDESTE MOTOS

NORDESTE MOTOS

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

POLÍCIA CIVIL DIVULGA IMAGEM DO TERCEIRO ASSALTANTE QUE PARTICIPOU DO LATROCÍNIO DO SUB-TENENTE MORTO EM CARUARU.



O Sub-Tenente Barros, foi morto dentro de casa.
Flávio Severino, foi morto pelo policial.
"Nando" confessou a participação no crime.

A Polícia Civil realizou uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (17) na sede da 14ª Desec em Caruaru, para mostrar o resultado da investigação sobre o latrocínio do Sub-Tenente José Rogério Silva Barros, de 47 anos, que foi morto a tiros dentro de casa no dia 20 de janeiro desse ano no Alto do Moura, que no duelo matou o assaltante, Flávio Severino de Torres, de 30 anos,  e esse foi o desfecho da prisão realizada no dia de ontem pelo Bepi e o NIA do 4º BPM, que prenderem em Dois Riachos-Alagoas, o assaltante, Fernando Amaro da Costa Silva, vulgo “Nando” de 21 anos.
O delegado chefe da 4ª Divisão de Homicídios, Dr. Bruno Vital, destacou a importância da interação e parceria com a Polícia Militar e essa integração só beneficia a sociedade.



O delegado que preside o inquérito, Dr. Francisco Souto Maior, fez a ouvida do criminoso “Nando” ontem a noite na sede da Dinter-01 e no depoimento o marginal confessou que houve a participação de uma terceira pessoa no crime, ele afirmou que ele, o Flávio e o terceiro assaltante que foi identificado por, Israel Esnande da Silva Santos, vulgo “Branco” de 29 anos, sabiam que a vítima se tratava de um policial militar reformado, foram ao local, sendo que o “Branco” e o “Nando” ficaram no carro um Celta vermelho, que ficou estacionado a uma certa distância da casa do policial, enquanto que o Flávio foi a lojinha de confecções que fica ao lado da casa do PM, mas que dá acesso a casa da vítima, chegou se passando por cliente a filha do policial de apenas 14 anos abriu a porta, ele entrou e anunciou o assalto, fez a jovem refém e no quarto abordou o policial, que reagiu e como o comparsa estava demorando muito para voltar o “Nando” foi a lojinha e disse a filha do policial que era o reforço, entrou na casa e presenciou o duelo entre o policial que ceifou a vida do Flávio com 3 tiros de revólver calibre 38, que estava armado com uma pistola calibre 380 e acertou o PM com 6 disparos, como ambos morreram no local, o “Nando” pegou as duas armas e fugiu com o “Branco” que o levou ao estado de Alagoas, em seguida de posse das duas armas abandonou o carro.
"Branco" também é suspeito das mortes dos irmãos "Nildo Bocada" e "Sargento Manezinho"

O delegado destacou que aguarda a participação da população para denunciar o paradeiro do Israel Esnande, o “Branco” e que para isso o cidadão deve ligar para o serviço Disque Denuncia Agreste (81) 3719-4545 e que terá a identidade preservada, ajudando a tirar um marginal de altíssima periculosidade do convívio social.
"Nildo Bocada" foi morto no dia 11 de dezembro, no Jardim Liberdade.



O "Sargento Manezinho" foi morto ao lado da Fafica.

O “Branco” ainda é suspeito de ter participado dos assassinatos de Josenildo Pereira Ferreira, o “Nildo Bocada” de 43 anos, assassinado na noite do dia 11 de dezembro no bairro Jardim Liberdade em novembro do ano passado e do seu irmão, o ex-PM Manoel Ferreira Pereira, o “Sargento Manezinho” de 41 anos, morto com vários tiros ao Lado da Fafica, no dia 22 de dezembro, no bairro Petrópolis, mas o delegado disse que ainda está investigando esses dois homicídios e esses inquéritos devem ser concluídos nos próximos dias.

Essa sandália encontrada a uns 50 metros da casa do policial morto, foi crucial para a elucidação do latrocínio, ela pertence ao “Nando” que a deixou para trás, ao entrar no carro do comparsa e foi feito o exame de palma digital e através de muito empenho os investigadores o identificaram e essa sandália e o fato da mãe do “Nando” ter reconhecido a sandália como sendo do seu filho a justiça expediu a prisão temporária do suspeito, o delegado disse que essa é a importância de se fazer um bom isolamento da cena do crime.