TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Registros de violência contra a mulher têm aumento significativo.


Os registros, através do número 180, de violência contra a mulher no ano de 2015 foram na ordem de 76.651 denúncias. Já no ano anterior foram registrados 52.957, ou seja, de um ano para o outro, houve um aumento de quase 50% nos registros de tais agressões.

Esse canal de comunicação é conhecido por Central de Atendimento a Mulher do governo federal. A maioria desses registros é de violência física, ou seja, 38.451 registros, algo em torno de 50% do total registrado.

Registre-se que, em se tratando de registros de violência sexual, que compreende o estupro, o assédio e a exploração sexual, o incremento foi na ordem de 129%.

Com esses dados tão alarmantes, chegamos a algumas conclusões. A primeira delas, é que as mulheres estão efetivamente criando disposição e coragem de denunciar as agressões sofridas; e a segunda é que estamos vivendo num país onde a cultura da violência contra a mulher é uma realidade e que o Estado e as instituições que a compõem precisam tomar medidas mais enérgicas.

Precisamos, com absoluta urgência, cobrar dos legisladores e nossos representantes, que construam uma legislação de efetiva proteção, bem assim, que os poderes constituídos, principalmente o poder executivo em todas as esferas, estruture equipamentos de apoio as mulheres vítimas de violência física, moral, patrimonial, psicológica e sexual, minimizando tanto sofrimento, que tais pessoas são submetidas e, com a punição dos infratores, tenhamos a redução de tais crimes.

Hora da cidadania – Erick Lessa – Delegado de Polícia Civil