AUTO VIP

AUTO VIP

TEFNET

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

AGRESTE CENTRAL PERNAMBUCO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

CASA DO CAMPÔNES

CASA DO CAMPÔNES

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUZA


A NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA

Estamos iniciando hoje, a Coluna Opinião de Mulher. Um espaço onde iremos abordar temas da atualidade e debater ocorrências relevantes em nosso país e localidade. Para começarmos, é oportuno lembrar que no dia 10 de Dezembro foi comemorado o dia internacional dos Direitos Humanos. Diante disso, trazemos a reflexão que a violência contra as mulheres é a violação mais generalizada desses direitos. E o feminicídio, sua expressão mais extrema.

Segundo o Mapa da Violência 2015, o Brasil tem a quinta maior taxa de assassinatos de mulheres do mundo. A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que crimes de ódio contra a mulher sejam mapeados e divulgados periodicamente. Segundo a instituição, o procedimento auxilia em investigações e ajuda a criar políticas de segurança de acordo com os perfis das regiões.

Porém, faltam dados de qualidade, recursos orçamentários para a implementação das políticas públicas, continuidade e coordenação das políticas e planos nacionais, acesso à justiça com visão de impunidade zero e mudança nos padrões culturais patriarcais que naturalizam a violência contra as mulheres no país.

O mapeamento dos crimes cometidos contra as mulheres no país é de extrema importância, mas faz-se necessário não revelar apenas o quantitativo, e sim, avançarmos também nos debates sobre esse problema tão legítimo. É imprescindível disseminar o perfil do feminicida, explorar os mecanismos de proteção existentes e empoderar as mulheres para que, a qualquer sinal mínimo de violência, as mesmas busquem suporte. Precisamos avançar em políticas preventivas. Fica a reflexão.

Esse foi a nossa Opinião de Mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.