TEFNET

TEFNET

AGRICENTER

AGRICENTER

COMERCIAL JR

COMERCIAL JR

VIP

VIP

RC TECIDOS

RC TECIDOS

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

CAOS NOS PRESÍDIOS!


Vivemos no Brasil, um verdadeiro descontrole social, no que diz respeito aos presídios, e isso não é culpa dos agentes penitenciários, e nem uma situação isolada de apenas um Estado da Federação. Para se ter uma noção, no ano de 2016, ocorreram aproximadamente 400 mortes violentas no interior de unidades prisionais, no Brasil.

Basta analisar o caos nos complexos prisionais no nosso país, em 2016, com sérios problemas no Maranhão (08 mortes), Pernambuco (43 mortes), Rio Grande do Norte (31 mortes) e Ceará (50 mortes), e também no Amazonas, como reportado na semana passada na coluna intitulada Massacre, onde houve no ano passado, 10 mortes e no início desse ano, 60 homicídios, a maioria com decapitação (cabeça separada do corpo).

Grande parte dessa problemática passa pela ausência do Estado dentro das unidades prisionais, em função do baixíssimo quadro de agentes penitenciários, entre outros problemas, como falta de sistemas eficientes, com uso da inteligência para controle de entrada de materiais ilegais. Com isso, o que ocorre é uma regra fácil de ser entendida dentro do sistema de segurança pública e justiça criminal, que diz que quando alguém não faz o seu papel outro vem e ocupa esse espaço, mesmo que seja o crime organizado, implementando um poder paralelo.

Isso ocorre, por exemplo com o primeiro comando da capital, facção criminosa, que iniciou seu poderio no Estado de São Paulo, e atualmente domina vários presídios pelo país e exerce esse comando com poder intimidatório e muito violento, ocupando o vácuo deixado pelo poder público que não valoriza os agentes penitenciários, e acima de tudo não implementa uma estrutura e efetivo adequados para controlar verdadeiras panelas de pressão, que a todo momento estão prestes a explodir.

A Unidades da Federação precisam valorizar os seus agentes penitenciários e investir com medidas sérias e drásticas, como bloqueador de celular, equipamentos de scanner (detectar entrada de armas, celulares e drogas) etc, nas unidades prisionais a fim de conter essa grave conturbação social.


Fique atento a próxima edição, que é divulgada todas as segundas aqui no blog do Adielson Galvão.