TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

COLUNA HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA


SUICÍDIO, UM PERIGO DO MUNDO MODERNO.

O dia 10 de setembro foi escolhido por um grupo de instituições para comemorar o dia mundial de prevenção ao suicídio e durante todo esse mês instituições públicas e privadas são iluminadas com a cor amarela, para fazer referência ao Setembro Amarelo, além do trabalho de abrir canais de discussão e debates sobre esse mal, com reportagens, veiculação na mídia a fim de motivar a sociedade a envolver-se nessa questão, que atinge muita gente em todo o mundo.

Enfermidades que eram consideradas tabus, como o câncer, a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) eram rodeadas de tabus e os números de vítimas só aumentavam, apesar de haver um preconceito e receio na discussão sobre tais causas de morte. Foi necessário o esforço coletivo, liderado por pessoas corajosas e organizações engajadas, para quebrar esses tabus, falando sobre o assunto, esclarecendo, conscientizando e estimulando a prevenção para reverter esse cenário.

O suicídio já é considerado um problema de saúde pública e pelos números oficiais, 32 brasileiros morrem por dia desse problema, taxa superior às vítimas da AIDS. Tem sido um mal silencioso, pois as pessoas fogem do assunto e, por medo ou desconhecimento, não veem os sinais de que uma pessoa próxima está com ideias suicidas.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) 9 em cada 10 casos poderiam ser prevenidos, se a ajuda e atenção dos familiares e amigos chegassem a tempo de evitar, que pessoas sofrendo de depressão, ansiedade, síndrome do pânico entre outros problemas psicológicos retirassem a própria vida.

Mas como buscar ajuda se sequer a pessoa sabe que ela pode ser ajudada e que o que ela passa naquele momento é mais comum do que se divulga? Ao mesmo tempo, como é possível oferecer ajuda a um amigo ou parente se também não sabemos identificar os sinais e muito menos temos familiaridade com a abordagem mais adequada? A razão do Setembro Amarelo é exatamente quebrar o tabu e o preconceito sobre a discussão das enfermidades que podem levar a pessoa ao suicídio e responder a essas perguntas.

Outro tema bastante discutido na sociedade é se as questões relacionadas ao suicídio são criminosas ou não. Claro que a pessoa que retira a própria vida não pode ser punida, mas existe sim, no Código Penal, o crime de induzimento ao suicídio, com pena que pode chegar a 12 anos de reclusão, se o sujeito auxiliar, instigar ou induzir alguém a cometer o suicídio.

Em tempos de aplicativos, séries, canais pela internet, filmes, lojas físicas e virtuais, jogos eletrônicos, enfim dos mais variados instrumentos, que induzem e tratam como normal e até estimulam a questão do suicídio, ferramentas essas que exploram jovens e adultos, muitos deles acometidos por depressão, crises de ansiedade e outros males da modernidade, entendemos como muito importantes esses debates e do próprio Setembro Amarelo para trazer todos os esclarecimentos necessários à sociedade.

Fica a reflexão. Esteja atento à próxima edição da coluna Hora da Cidadania e envie sua opinião, crítica ou elogio para o e-mail: ericklessa04@gmail.com

COLETIVO TURISMO