AUTO VIP

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

RC TECIDOS

RC TECIDOS

GBest SPORT

quinta-feira, 27 de junho de 2019

POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA SEGUNDA FASE DA OPERAÇÃO INSANIDADE



 


A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje, 27/06/19, a segunda fase da Operação Insanidade, instaurada com a finalidade de apurar ilegalidades na aquisição e distribuição de medicamentos, principalmente os de uso controlado, pela Secretaria Municipal de Saúde de Agrestina, entre 2018 e 2019.

O delegado que comandou a operação, Dr. Leonardo de Lima e Silva, informou que a segunda etapa da operação tem como foco as empresas fornecedoras de medicamentos sediadas no município de Garanhuns que teriam sido vencedoras de pregão eletrônico, e objetiva cumprir 04 (quatro) mandados judiciais de busca e apreensão, a fim de arrecadar documentos e informações, nas sedes das empresas,  que comprovem a legalidade ou ilegalidade no processo de fornecimento de medicamentos controlados, dentre outros, e a regularidade no trânsito desse tipo de produto entre os fornecedores e a Prefeitura Municipal de Agrestina.

A primeira fase da operação que foi deflagrada no dia 25 de abril e nos cumprimentos de mandados de prisões na Farmácia Municipal e na Secretaria Municipal de Saúde, em razão de terem sido constatadas situações graves a respeito de medicamentos controlados, que se enquadram na lei antidrogas, sem a devida receita para aquisição e sem controle algum, bem como o acondicionamento de tais remédios em locais impróprios.

Há também fortes indícios da prática de falsificação de receituário médico para aquisição de medicamentos controlados. Tal situação foi denunciada por vários servidores da área de saúde daquele município que estavam sendo coagidos a falsificar e expedir autorização para compra dos medicamentos.

No momento das buscas, duas pessoas foram presas em flagrante a ex-Secretária de Saúde e a Farmacêutica. Foram apreendidos diversos remédios, cartões de saúde, vários receituários com indícios de falsificação, sem carimbos ou nome do médico responsável, que possivelmente eram utilizados para justificar a saída de medicamentos para pacientes com problemas psiquiátricos, e diversos documentos que indicam fraude na aquisição de medicamentos.