PREFEITURA DE CARUARU

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

sábado, 13 de fevereiro de 2021

COLUNA CLUBE DO FILME COM MARY QUEIROZ

 


AQUAMAN



A DC/Warner fez um filme de super-herói bem feito.

Desde a trilogia Batman de Christopher Nolan, a DC/Warner não acertava a mão na produção deste gênero de filme. Foram decepções em cima de decepções, tirando raras exceções como O Homem de Aço (2013 de Zack Snyder) onde fomos apresentados ao novo Superman interpretado pelo carismático Henry Cavil, ou mesmo a expressiva revitalização do homem-morcego numa magistral interpretação de Ben Afleck em Batman VS Superman – A Origem da Justiça (2016 de Zack Snyder) filmes que apesar de contar com atores que vestiram literalmente o uniforme dos super-heróis, as adaptações feitas pelo estúdio e produtora, não caíram no gosto do público.

A atmosfera dark da direção de Zack Snyder não estava funcionando e em Liga da Justiça (2017 de Zack Snyder) foi a gota d´água no oceano. O filme é considerado o pior de toda franquia DC/Warner. Somente um filme havia saído deste limbo tenebroso e mostrou o quanto ainda se poderia salvar o Universo Cinematográfico da DC e este foi Mulher Maravilha (2017 de Patty Jenkins). Com um roteiro simples, uma paleta de cores mais diversificada e o alto carisma de Gal Gadot, o filme caiu nas graças do público e da crítica. Foi necessário que uma mulher mostrasse na telona, como se faz um filme de sucesso.

Em 2018 a DC/Warner nos apresentou seu único filme do ano, AQUAMAN. Metade humano e semi atlante, Arthur Curry (Jason Momoa) parte em uma jornada junto de seus aliados Mera (Amber Heard) e Vulko (Willem Dafoe) para encontrar o tridente do rei, uma arma mítica capaz de controlar os sete mares. O trio precisa cumprir seu objetivo antes de Orm (Patrick Wilson), meio-irmão de Arthur que pretende derrubá-lo e tomar o trono de Atlântida.

O que podemos dizer deste filme é que ele é simplesmente sensacional, com a Direção de James Wan, diretor que traz em seu currículo filmes de terror como Jogos Mortais (2004), Invocação Do Mal -1 e 2 (2013/2016) e filmes de ação, como  Velozes e Furiosos 7 (2015). Aqui ele faz um trabalho onde envolve conscientemente e precisamente parte destes gêneros e nos entrega um filme bem redondinho, nos mostrando a origem de um super-herói sem exagerar em contar essa historia. Wan trabalha muito bem esse quesito, sem perder o fio condutor da trama, entrecortando a narrativa atual com flashbacks bem introduzidos e sequenciados fazendo o espectador entender perfeitamente o contexto inserido na história.

Ao nos mostrar a cidade submarina de Atlantida, somos brindados com uma visão extremamente futurista de uma civilização altamente evoluída tecnologicamente, em um visual repleto de cores e luzes neon, ressaltados pelos animais marinhos, numa qualidade em CGI de impressionar os olhos. Tudo está bem centralizado, com riquezas de detalhes em suas nuances e nós realmente acreditamos no que vemos, tamanha perfeição do que está sendo mostrado. Atlantida existe bem como todos os Outros 7 Reinos Marítimos. Um extraordinário espetáculo visual.

Os personagens também estão muito bem trabalhados. Jason Momoa nos entrega um Aquaman a principio alheio ao mundo de Atlantida, que prefere esquecer e se contentar em salvar os seres da superfície, onde ele se sente mais a vontade. Ao longo de sua jornada do herói, ele vai mostrando diversas camadas e amadurecimento até atingir e aceitar seu objetivo como Monarca de Atlanta. Seu par romântico, Mera, interpretada pela atriz Amber Heard, é de uma supremacia elegante ao demonstrar sua energia e força em convencer Aquaman a lutar do seu lado pelo reino atlante. Willem Dafoe nos entrega um conselheiro Científico de Atlantida ao mesmo tempo em que atua como mentor de Aquaman em sua jornada evolutiva, com toda a expressividade que seu papel exige.

Outro ator que também está bem centrado em seu personagem é Patrick Wilson, no papel o meio-irmão de Aquaman, Orm Marius, o Mestre dos Oceanos. As atitudes, os gestos, suas palavras soam tão verdadeiras que acreditamos nas suas intenções reais. Aqui, preciso enaltecer também a presença de Dolph Lundgren, no papel do Rei Nereus, da Nação Submarina de Xebel e pai de Mera. Ele consegue dar também, veracidade em sua interpretação. Parabéns pelo papel e pela expressividade.

O Ator Yahya Abdul-Mateen II faz o Arraia Negra, outro arqui-inimigo do Aquaman. A motivação dele ao tornar-se o Arraia, é um dos pontos mais fortes do filme, pois vemos uma situação e duas reações distintas aqui. Não vou falar muito para não dar spoiler. E finalmente, Nicole Kidman, como Atlanna, mãe do Aquaman e ex-rainha de Atlantida, bem como também, o Ator Temuera Morrinson, como Thomas Curry, pai do Aquaman. Apesar destes personagens terem pouco tempo de tela, é extremamente envolvente suas cenas. Há um laço de amor verdadeiro nas interpretações dos atores, que nos faz torcer por um final feliz para eles. A química entre os dois, funciona perfeitamente.

AQUAMAN é desses filmes que você deseja que não acabe tamanha qualidade vista na tela, personagens carismáticos, grandes cenas de ação, piadinhas que não atrapalham e um dos visuais mais exuberantes já produzidos para filmes de super-heróis. A DC/Warner finalmente acertou.

PROGRAMA CLUBE DO FILME



No programa Clube do Filme deste sábado, 13 de fevereiro 2021, às 13h pela Rádio Cultura do Nordeste 96,5 FM/1130 AM, apresentado por Edson Santos e Mary Queiroz, terá como tema: “AS GRANDES MÚSICAS DE 007 – PARTE #4”. Nos estúdios da Rádio, participação de Bento Gomes (Fotógrafo e Cosplay) e Zenaldo Nunes (Pesquisador e Cosplay) .

Acompanhe pelas Redes Sociais:

SITE:www.radioculturadonordeste.com.br

FACEBOOK:www.facebook.com/RadioCultura1130