TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 17 de julho de 2017

COLUNA HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA


CARUARU CONTABILIZA RECORDE DE HOMICÍDIOS NO PRIMEIRO SEMESTRE.

O crime de homicídio é aquele que traz as conseqüências mais graves para a sociedade. Os familiares da vítima, o assassino e seus parentes, podem, na sua totalidade, sofrer importantes repercussões para o resto de suas vidas, pela seriedade do fato em si e pelas conseqüências legais de um ato dessa natureza.

No primeiro semestre de 2017, Pernambuco contabilizou 2.875 homicídios, número 39,3% maior do que os 2.063 assassinatos registrados no mesmo período do ano anterior. Dados divulgados no último dia 14 de julho, pela Secretaria de Defesa Social (SDS) mostram que o mês de junho deste ano registrou 380 homicídios no estado, quantitativo que a secretaria destacou como menor em comparação aos outros meses do ano. No entanto, esse número é 14,4% maior em comparação a junho de 2016, quando foram registrados 332 assassinatos no território pernambucano.

Essa é a realidade dos fatos. Os números de CVLIs (crimes violentos letais intencionais) conforme preconiza o Pacto Pela Vida são registrados mensalmente, entretanto as comparações são realizadas em relação ao mesmo mês do ano pretérito, pois cada mês tem sua especificidade, eventos festivos e distribuição de efetivo, além de questões de temperatura, pois se faz necessário registrar o dado científico que demonstra que os meses com temperaturas mais altas são os que contabilizam os maiores números de crimes dessa natureza.
E Caruaru. Nossa cidade, infelizmente registra recorde de homicídios nunca antes verificado, pois entre os meses de janeiro a junho, Caruaru contabilizou o absurdo número de 154 homicídios. E o pior: se analisados cada mês do primeiro semestre de 2017, na capital do Agreste, todos os meses foram de índices de homicídios recordes em todos os tempos.

Muito ações há que se fazer para reverter esse quadro, mas uma é preciso deixar bem clara: é preciso ter transparência e tratar os dados com extremo profissionalismo e realismo, pois jogar para debaixo do tapete ou buscar jogo de números para tentar demonstrar uma falsa realidade não vai resolver o problema.


Fica a reflexão. Esteja atento à próxima edição da coluna Hora da Cidadania e envie seu comentário, opinião, crítica ou elogio para o e-mail: ericklessa04@gmail.com.
COLETIVO TURISMO