TEFNET

TEFNET

ERGO 30

ERGO 30

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

VIP

VIP

CENTRAL BURGUER

CENTRAL BURGUER

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

CLÍNICA SEMPRE SAÚDE

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

NORDESTE RASTREAMENTO 24H

segunda-feira, 24 de julho de 2017

COLUNA A HORA DA CIDADANIA COM O DELEGADO ERICK LESSA


O país precisa voltar os olhos para o sistema penitenciário.

Estudo realizado pelo Ministério da Justiça, através do INFOPEN (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias), aponta que 70% dos reeducandos que se encontram encarcerados nas unidades prisionais do Estado de Pernambuco cometeram crimes de tráfico, roubo ou homicídio.

São crimes que a população infelizmente está acostumada a se deparar no dia a dia, inclusive a própria mídia já não destaca tais ocorrências, com a mesma relevância que era dada num passado não tão distante.

Além disso, já temos estudos que demonstram que o país tem aproximadamente 600 mil pessoas encarceradas, e pouco mais de 200 mil vagas nas unidades penitenciárias, ou seja, em sua grande maioria, temos superlotação carcerária.

Não dá para jogar para debaixo do tapete a realidade que se apresenta em nossa sociedade: o preso não encontra ressocialização nas cadeias e presídios do país, muito pelo contrário.

Ademais, este indivíduo não vai ficar eternamente fora do convívio social, pois a legislação, branda como é, logo o reinsere na sociedade e sem perspectiva de vida volta, em sua maioria, para o crime, pois não experimentou a vivência da reeducação.

É preciso que o poder público analise com critério e busque a efetiva ressocialização das pessoas que se encontram recolhidas em unidades carcerárias e busquem alternativas, com aplicação de mais investimentos, para que o preso encontre novas perspectivas na vida, seja com o aprendizado de uma profissão, que lhe fornece dignidade e oportunidade de reinserção social; seja através da educação, que abre os seus horizontes; seja pela força no poder do Evangelho, em busca de uma vida diferente, com princípios e pilares renovados para enfrentar, com bases sólidas, os desafios do cotidiano, ou com todas essas questões juntas, tudo isso com o imprescindível apoio familiar, para o ajudar a reencontrar novos rumos na reconstrução de sua história.


Fica a reflexão. Esteja atento à próxima edição da coluna Hora da Cidadania e envie sua opinião, crítica ou elogio para o e-mail: ericklessa04@gmail.com.
QUEIJO SANTA GERTRUDES