PREFEITURA DE CARUARU

PREFEITURA DE CARUARU

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

sábado, 28 de novembro de 2020

COLUNA CLUBE DO FILME COM MARY QUEIROZ

 


AS PANTERAS 2019



Em 1977 estreava na tv, uma das séries pioneiras no quesito EMPODERAMENTO FEMININO: “AS PANTERAS”. Produzida por Aaron Spelling e Leonard Goldberg para a emissora ABC, levada ao ar em cinco temporadas de 1976 a 1981. Foi criada por Spelling, Goldberg, Ivan Goff e Ben Roberts, possuindo 158 episódios no total. O enredo centra-se nas aventuras de três mulheres trabalhando para uma agência de detetive privada em Los Angeles, Califórnia, selecionadas pelo misterioso CHARLIE, que se comunicava om elas através de um intercomunicador.

Com muito apelo sensual/sexual, a série caiu nas graças do público e crítica, devido ao carisma das 3 protagonistas, que possuíam uma química no trabalho em conjunto: Jaclyn Smith, Farrah Fawcett-Majors, e Kate Jackson. Na segunda Temporada, Farrah Fawcett renuncia ao papel, causando um alvoroço na produção da série, causando um certo tumulto. Farrah foi substituída pela estreante atriz Cheryl Ladd. Para sorte da produção, apesar das dificuldades iniciais, Cheryl caiu nas graças do público.

No ano 2000, “AS PANTERAS” retornam numa superprodução lançada nos cinemas com 3 grandes atrizes que estavam no auge do sucesso: Drew Barrymore,, que também assina a Produção, Cameron Diaz e Lucy Liu, filha de imigrantes chineses e a Direção de McG. A formula era a mesma da série, porém o apelo sensual/sexual foi maior e isso chamou muito mais a atenção do público masculino. Aqui, o EMPODERAMENTO FEMININO fora posto de lado e o erotismo banalizou a produção. Mesmo assim, teve uma boa resposta de bilheteria, faturando U$ 264.1 milhões. Uma excelente fatura, para uma produção que havia custado U$ 93 milhões.

Devido ao relativo sucesso, a continuação era certa e em 2003, o trio está de volta em “AS PANTERAS: DETONANDO” com o mesmo diretor do primeiro filme. Agora, com um orçamento um pouco maior, no valor de U$ 120 milhões, o filme teve uma recepção muito fraca, faturando apenas U$ 259,2 milhões. O enredo fraco, atuações mais caricatas ainda, uma vilã nada convincente interpretada pela Demi Moore além da presença do brasileiro Rodrigo Santoro que entra mudo e sai calado, o filme naufraga com críticas negativas.

Em 2019 " AS PANTERAS" mais um remake da série homônima.“AS PANTERAS” foi lançado em para nossa surpresa, tem elementos extremamente diferenciados das produções anteriores.

Começando pelo elenco, onde encontramos como única estrela conhecida, a Kristen Stewart e a Diretora/Atriz Elizabeth Banks que também atua no filme, como a personagem Bosley. O filme ainda conta com a presença de Patrick Stewart num papel que não vou falar para não correr risco de spoilers. As outras duas Panteras, são as atrizes: Naomi Scott que fez recentemente a Jasmine do live action “ALADIN” e a Atriz e modelo britânica Ella Balinska, que não trás em seu currículo nenhum filme de grande repercussão e destaque. A trama desta nova adaptação, gira em torno de Sabina Wilson (Kristen Stewart), Jane Kano (Ella Balinska) e Elena Houghlin (Naomi Scott) que embarcam numa perigosa missão global, a fim de impedir que um novo programa de energia se torne uma ameaça para humanidade. De início somos surpreendidos com as homenagens e referências tanto da série como dos filmes anteriores, numa apresentação bem nostálgica, na qual apenas fãs e espectadores que viram aos filmes, reconhecerão. Só pela nostalgia mostrada o filme já cativa, apesar do roteiro fraco e previsível. Agora nas atuações, a química entre as 3 atrizes é excelente, elas estão bem a vontade em seus papeis, parece até que foram feitas para cada uma delas. De imediato já identificamos os comportamento de cada protagonista, suas características e diferenças de personalidade.

Outra coisa na qual a Diretora soube como ninguém destacar é a questão do EMPODERAMENTO FEMININO, muito bem explorado sem cair na apelação sexual/sensual e mostrado de maneira leve e muito objetivo sem ser apelativo. As mulheres tem suas funções e as exercem de forma clara sem menosprezar a presença masculina na trama. Mais um detalhe também é mostrado: parte da origem da Agência de Detetives que agora evoluiu e transformou-se em...bem, não vou revelar porque isso faz parte  da surpresa do filme. Há um certo ritmo frenético nas cenas de ação e quando as heroínas estão em perigo, ficamos com a sensação de desespero para ver como elas vão sair daquela situação.

“AS PANTERAS 2019” não exibe muitas cenas com apelo sexual/sensual. Aqui as atrizes não usam roupas sumárias, não estão mostrando seus atributos físicos para chamar ou conquistar este ou aquele personagem masculino. O filme é sério, fugindo da galhofa dos seus antecessores, mas sendo fiel no quesito comparativo da série setentista.

Mas, se você quer tirar a prova das minhas palavras, assista “AS PANTERAS 2019” pois é um bom filme. Despretensioso, simples, objetivo é muito divertido.

 PROGRAMA CLUBE DO FILME

 


No programa Clube do Filme deste sábado, às 13h pela Rádio Cultura do Nordeste 96,5 FM/1130 AM, apresentado por Edson Santos e Mary Queiroz, continuará o debate sobre a série “O MANDALORIANO: A SEGUNDA TEMPORADA – ANÁLISE – PARTE I”. Nos estúdios da Rádio, com a participação de Luiz Antônio e Alysson Rodrigo.

Acompanhe pelas Redes Sociais:

SITE:

www.radioculturadonordeste.com.br

FACEBOOK:

www.facebook.com/RadioCultura1130

YOUTUBE

RÁDIO CULTURA DO NORDESTE