AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

LOTEAMENTO NOVO HORIZONTE

LOTEAMENTO NOVO HORIZONTE

sábado, 10 de outubro de 2020

COLUNA CLUBE DO FILME COM MARY QUEIROZ

 


RAMBO: ATÉ O FIM

“Siga as luzes...se quiser viver!” – John Rambo

 


Sanguinário, violento, visceral, mas extremamente bom, é assim que podemos classificar o filme de Stallone: “RAMBO: ATÉ O FIM”. Com uma história sempre envolta nos assuntos da atualidade e isto é uma constante nos roteiros de Rambo, Stallone sempre soube como ninguém adaptar o herói as circunstâncias mais evidentes e polêmicas desde a guerra do Vietnã até os conflitos dos EUA na fronteira com o México, mote deste RAMBO 5. O tempo passou para Rambo, que agora vive recluso em um rancho. Sua vida marcada por lutas violentas ficou para trás, mas deixou marcas inesquecíveis. No entanto, quando uma jovem de uma família amiga é sequestrada, Rambo precisa confrontar seu passado e resgatar suas habilidades de combate para enfrentar o mais perigoso cartel mexicano. A busca logo se transforma em uma caçada por justiça, na qual nenhum criminoso é perdoado.

Vingança. E desta vez é extremamente pessoal. No primeiro filme, conhecemos o herói de guerra, esquecido pelo seu país tentando adaptar-se ao mundo no qual ele não pertence. Nas suas próprias palavras, ele na sociedade mal consegue um emprego como manobrista, enquanto na guerra, era um combatente que pilotava helicópteros, manuseava armamento pesado, sabia tácticas de sobrevivência na guerra. Uma verdadeira máquina de matar, um verdadeiro exército de um homem só, o qual se vê solitário e perdido num mundo que o rejeita como escória. No segundo filme, temos ele pagando o preço pelos seus atos, numa prisão até o momento no qual é convocado para apenas “fotografar” supostos prisioneiros americanos. A missão dá errado e ao deparar-se com soldados americanos sofrendo as mais duras torturas o patriotismo de Rambo vem à tona e ele resolve salvar aqueles homens. Desta vez, a luta era pelo seu pais.

No terceiro filme, aparentemente longe dos horrores sofridos nos conflitos dos filmes anteriores, Rambo parece estar em Paz consigo, buscando um equilíbrio interior num mosteiro budista. Até que mais uma vez, seu passado vem à tona através de mais um convite para outra missão. Rambo prefere recusar, então seu amigo, o Coronel Trautman tenta cumprir a missão em seu lugar, mas ele é capturado e com isso, o governo americano resolve “esquecer” o veterano soldado nas linhas inimigas. Mas quando Rambo fica sabendo, resolve intervir para salvar o seu único amigo.

No quarto filme, novamente tentando levar uma vida pacifica na Tailândia, ele se envolve com missionários tentando levar medicamentos  e comida para a tribo Karen e precisam passar pelas minas terrestres escondidas pelo caminho que leva ao campo de refugiados. Depois de muita insistência, Rambo aceita levá-los, porém, um tempo depois, o grupo é sequestrado pelo exército birmanês e o herói terá de resgatá-los. Por mais que o velho ex-combatente procure evitar conflitos, os conflitos sempre estão perto dele.

E neste quinto filme, tudo indicaria o encontro com a tão procurada Paz para este velho soldado. Porém, mesmo inconscientemente, o espírito de combate está presente dentro dele e na sua maneira, procura ajudar espontaneamente um povoado vizinho do Arizona, o qual está prestes a ser devastado por uma enchente causada por uma forte tempestade. A primeira cena do filme, nos mostra um John Rambo melancólico por não ter conseguido salvar quantas pessoas queria.

Ao término do filme, percebemos o quanto de complexo é este personagem, em sua profunda e ferida existência, mesmo tentando manter-se distante dos conflitos e traumas interiores. Como em suas próprias palavras, o mundo é horrível, e as pessoas que são más, nunca mudam. A mesma reflexão ele toma para si, quanto na última cena, sentado numa cadeira de balanço, seu olhar se perde diante do quadro instaurado naquele momento. É a dor, é a solidão, é a sede da vingança é toda sua vida repassada mais uma vez na mente, num misto de agonia e raiva, tentando de novo, se recompor e reconhecer quem realmente ele é. É forte, é simbólico, é profundo.

Com certeza, “RAMBO: ATÉ O FIM” marca uma grande história do personagem, mesmo com o excesso de violência, mas esta violência não é gratuita. Cada bala, cada soco, cada facada dada, possui uma motivação com endereço certo. Talvez o filme não faça tanto dinheiro como deveria, mas é sem dúvida, um filme que merece ser visto com um olhar mergulhado na personalidade deste grande personagem que, aparentemente, encerra sua carreira no cinema.

PROGRAMA CLUBE DO FILME

 


Neste sábado, 13h, na Rádio Cultura do Nordeste, tem o seu programa de cinema CLUBE DO FILME. Comandado por Edson Santos e Mary Queiroz. O programa debate o tema " GRANDES FILMES ADIADOS". Nos estúdios da Rádio Cultura, os convidados Euller Moura, Felipe Queiroz, Alysson Rodrigo e Antônio Luiz.

Acompanhe pelas nossas Redes Sociais:

www.radioculturadonordeste.com.br

Rádio Cultura do Nordeste

Ouça pelo site:  HYPERLINK "http://www.radioculturadonordeste.com.br"

www.radioculturadonordeste.com.br. Acompanhe ao vivo pela LIVE do Facebook:  HYPERLINK "http://www.facebook.com/RadioCultura1130" www.facebook.com/RadioCultura1130. Em Caruaru e região, sintonize 96,5