AUTO VIP

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

LENO PEÇAS

LENO PEÇAS

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

COLUNA DO DELEGADO LESSA




Mulher, você tem voz!

A data 25 de novembro marca o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. O objetivo é alertar a sociedade sobre os casos de violência e maus tratos contra as mulheres, um mal que atinge todas as camadas sociais em todas as partes do mundo.

Neste ano, o Ministério dos Direitos Humanos (MDH) lançou a campanha “Você tem voz”, com o objetivo de dar visibilidade ao tema e ao canal de denúncia Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher –, um serviço gratuito e de caráter confidencial para efetuar denúncias de violência contra a mulher.

Infelizmente, casos de violência – seja física ou psicológica – são ocultados, pois falta à sociedade um olhar mais atento para esta questão. Ao invés de levantar suspeitas acerca das denúncias proferidas pelas mulheres, é preciso julgar a conduta do agressor. E casos assim não são raros. Para se ter uma ideia, uma pesquisa realizada pelo Banco Mundial no ano passado aponta que uma a cada três mulheres já foi vítima de algum tipo de violência.
Em Pernambuco, a história de enfrentamento destes casos remete-nos ao ano de 1985, quando da instalação da primeira unidade de Polícia da Mulher no estado – a segunda do Brasil. Atualmente, há mais de dez unidades deste tipo em Pernambuco. Particularmente, defendo que sejam construídas mais delegacias da Mulher no interior, de acordo com as regiões de desenvolvimento do estado, bem como considerando o quantitativo da população e centralidade de onde as denúncias serão concluídas.

O enfrentamento da violência contra a mulher não deve ficar restrito ao Governo Federal nem aos organismos internacionais. É dever das unidades federativas, dos municípios, das empresas, das instituições sociais e de toda a sociedade como um todo dar atenção a este assunto, que envolve inclusive a saúde de nossas famílias. Não podemos aceitar que as mulheres vivam reféns do medo e da violência.