AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

FOCUS CURSOS

FOCUS CURSOS

sexta-feira, 3 de abril de 2020

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUSA




E O SÃO JOÃO DE CARUARU?

Nos últimos dias o mundo está em alerta ao Coronavírus. A necessidade em adotar as medidas de prevenção tem causado uma verdadeira “cascata” de alterações em todos os setores da sociedade. Escolas fechadas, comércio parado em diversos estados, falta de materiais nos hospitais, aumento de preços em alguns itens, proibição de aglomerações acima de 10 pessoas, medidas provisórias lançadas pelo governo a cada dia, entre outras.

Muitas cidades já anunciaram o adiamento ou suspensão, de festividades tradicionais que fazem parte de seus calendários.  Como exemplos da Paixão de Cristo, em Nova Jerusalém, Festival do Jeans em Toritama, Festival Viva Dominguinhos em Garanhuns e São João de Campina Grande. Em Caruaru, até o presente momento não houve uma definição como será o São João. Em várias entrevistas, quando questionada, a prefeitura alega está avaliando como procederá.

É importante destacarmos que o momento pede bom senso. Mesmo o evento sendo uma importante ferramenta econômica para o município, estamos em situação crítica no país inteiro. Onde, a recomendação dos órgãos de saúde é não realizar nenhuma atividade com ajuntamentos de pessoas. O São João faz circular pessoas não apenas da localidade, mas envolve diversos estados.

Em uma coletiva realizada ontem (02), o Ministro do Turismo, ao ser questionado sobre o São João de Caruaru, o mesmo falou sobre o pacote econômico disponibilizado aos municípios para dar suporte para enfrentar o período e orienta que todas as cidades sigam as recomendações do Ministério da Saúde em não ter aglomerações. Sabemos que faltam menos de 90 dias para o São João e seria uma atitude irresponsável manter o evento.

Em entrevista a Rádio Globo em Recife, a gestora do município afirmou que ainda é cedo para decidir sobre o São João e que aguardará a evolução da doença no país.

Em redes sociais, muitas pessoas tem questionado porque não utilizar verbas destinadas ao evento para dar um suporte maior as famílias da cidade que estão passando sérias necessidades. Muitos ambulantes, sulanqueiro e desempregados estão passando fome. Será que dá para pensarmos em festa? Fazer campanha para arrecadar alimentos com o dinheiro da população é a solução e o verdadeiro papel de uma gestão pública?

Pelo menos contamos com a solidariedade das pessoas, que é grande e tem salvo muitas vidas!

Essa foi minha Opinião de Mulher de hoje. Nos acompanhe nas redes sociais. Instagram: Nayara_gsousa e Facebook: Nayara Sousa