AUTO VIP

AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

ROTA PROTEÇÃO VEICULAR

RC TECIDOS

RC TECIDOS

GBest SPORT

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

COLUNA OPINIÃO DE MULHER COM A ENFERMEIRA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA NAYARA SOUSA



SEM MAIS DIÁLOGOS, PREFEITA SEGUE COM RETIRADA DOS AMBULANTES
Os últimos dias têm sido de muita turbulência entre ambulantes e a Prefeitura de Caruaru. O problema ganhou maiores proporções com o anúncio do prazo final de retirada dos ambulantes do centro da cidade. A transferência faz parte do projeto Comércio na Praça, que visa a requalificação do centro.
Os ambulantes ficaram indignados por serem realocados em pleno final de ano, época mais aguardada por todos, onde as vendas são aquecidas e garantem o sustento para os próximos meses de baixa temporada. 
Os ambulantes solicitaram à prefeita Raquel Lyra a ampliação desse prazo para o final de dezembro, porém não houve acordo. Mesmo após realizarem protestos, e pedirem para mais uma vez serem ouvidos.
Na última quinta-feira, os ambulantes solicitaram uma audiência pública na Câmara dos Vereadores para debateram sobre a mudança de local. 
Para surpresa de todos, treze vereadores votaram não e apenas três a favor da audiência, um se absteve da votação. O resultado causou muita indignação e tumulto na plenária.
Os ambulantes alegam, além do prazo, que o local que serão realocados não oferece as mínimas condições de comercializar, por ser um espaço pequeno e impróprio. A prefeitura alega que o local é apropriado e que o calendário de transferência estava disponibilizado desde Fevereiro desse ano. Atualmente, cerca de 800 ambulantes atuam em 28 ruas monitoradas pela fiscalização.
É bem verdade que o centro precisa ser organizado e que uma transferência desse porte irá causar diversos transtornos. Mas, a pergunta que não quer calar: precisava transferir exatamente no período festivo? Ali sobrevivem centenas de famílias. É inaceitável que isso não seja considerado. E o que mais nos preocupa é ver a Câmara de Vereadores, a “casa do povo” não querer abrir suas portas para uma audiência pública. Mesmo que em outros momentos tenham ocorridos reuniões e discussões sobre a temática. Aquele local deveria ser a mais respeitada expressão da democracia e voz do povo.
Mesmo com peças publicitárias que destacam o diálogo como a principal marca do governo Raquel Lyra, a realidade aponta uma gestação pouco afinada com a voz do povo, em especial os da periferia.
Essa foi minha opinião de mulher de hoje. Participe conosco enviando suas dúvidas, questionamentos e sugestões para dra.nayarasousa@hotmail.com.