AUTO VIP

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

ARTESÃO AZIVAN GALVÃO

segunda-feira, 1 de junho de 2020

COLUNA DO ADVOGADO CRIMINALISTA DR. JOÃO AMÉRICO




COMO PIORAR UMA PANDEMIA.

Ter uma pandemia é muito ruim. Ter uma pandemia em meio a uma crise política, ou múltiplas crises políticas, é péssimo. Ter uma pandemia em meio ao caos político e sem um ministro da saúde é horrível. Por fim, ter uma pandemia em uma sociedade dividida em opiniões de como lidar com a pandemia é algo imaginável.

Não podemos esquecer que no meio da maior crise sanitária mundial, temos um inquérito que investiga o Presidente da República e seu ex-ministro da justiça, e outro que investiga fake news contra o Supremo Tribunal Federal, tendo como autores aliados do Presidente, todos tramitando no STF, que, por sua vez, é contestado, atacado, sendo alvo de incansáveis pedidos de fechamento e até prisão de seus membros (ministros). Num congresso vacilante, entre tomar decisões firmes e assertivas e se locupletar no banquete dos cargos públicos, temos mais de três dezenas de pedidos de impeachment e sete pedidos de CPIs para investigar Bolsonaro, em resumo, um caos. A única imagem que encontramos para retratar o momento nacional seria o quadro de Pablo Picasso, Guernica, quadro histórico que representa, por meio de vários elementos, a destruição, o caos e o horror provocados por seres humanos a seres humanos.

Nossa geração atravessa o maior desafio de sua época, e várias contingências não devem e nem poderiam ter sido negligenciadas. No meio desse infortúnio, que recai sobre todos, precisávamos, desesperadamente, de uma liderança que unificasse o país e criasse uma pauta de coalização nacional, a fim de enfrentarmos um inimigo comum e invisível. Infelizmente não temos um homem ou uma mulher, na vida pública, detentor de mandato conferido pelo povo, talhado para tamanho desafio. A liderança natural seria do Presidente da República, mas Bolsonaro mostrou-se aquém do desafio que atravessamos, e, sem estatura de estadista, conduz o país ao conflito fraticida, quando a ocasião recomenda o contrário, ou seja, a união. O Presidente não apresenta soluções pacíficas, inteligentes e coordenadas com prefeitos e governadores para sairmos da crise, pelo contrário, tensiona o debate público, não busca concessos e coloca a culpa, por vezes, na impressa, congresso e STF. Por outro lado, alguns governadores e prefeitos, e suas respectivas administrações, aproveitando-se do ambiente caótico e flexibilização das normas de compras e controle de gastos, cometeram o crime abominável de, em meio aos corpos que se avolumam em cemitérios e hospitais, surrupiarem de forma ardilosa e vil o erário público, sugando com respiradores, ou melhor, aspiradores da corrupção o dinheiro da saúde, para abastecer seus bolsos.

Isolamento Social vertical ou horizontal, lockdown (confinamento), cloroquina e a hidroxicloroquina, deixaram de pertencer e ser jargões dos médicos, sanitaristas, infectologistas, e passaram a ter uma conotação política. Quando se fala, por exemplo, em cloroquina, associamos o tema logo ao Presidente, e lockdown (confinamento) a governadores e prefeitos.

Parte da sociedade tenta criar uma agenda própria descolada do ambiente contraditório, complexo e instável da crise pandêmica. Empresas, artistas e pessoas comuns acharam na solidariedade uma forma racional de colaborar com esse momento difícil, e ações carregadas de fraternidade eclodiram por toda parte de forma espontânea. Ninguém, nenhum político ou instituição, pediu ao povo que ajudassem uns aos outros. O sentimento de empatia brotou dos corações nobres e generosos, e vivemos um momento único, onde só faz sentido ter momentos de alegria, com por exemplo assistir a uma live, se ajudarmos os outros. Ficar em casa passou a ser um gesto de amor e cuidado. É difícil conviver sem as orações comunitárias da semana santa, sem os dias das mães, sem São João, mas tudo irá passar e esperamos que possamos aprender com nossos erros e acertos.

Escrevo esse artigo na esperança que alguém o leia no futuro e reconheça nossos erros e, quando se deparar com algo semelhante ou igual, não os repita. Fique com a solidariedade, isso sim salva vidas.